(16) 98158-2642

Segunda à Sexta: 8h às 18h

Quer ganhar quanto?

 

 

Falar sobre remuneração é um assunto delicado.

Acredito que todo profissional já foi questionado sobre sua pretensão salarial, seja no final de um processo seletivo ou mesmo em um contato inicial com um recrutador, porém conheço poucos que se sentem genuinamente confortáveis em falar sobre isso.

(Ah se a matemática salarial fosse tão simples quanto tal serviço custa 10, eu posso pagar 10, então negócio fechado!)

Existem muitos fatores que não são expostos em uma negociação salarial e eu vim aqui te contar um pouco sobre eles, além de te esclarecer alguns pontos que podem te ajudar, na prática, a negociar melhor seu próximo pacote de remuneração.


Quer ganhar quanto?

Apesar de ser respondida com um número, esse cálculo é emocional.

Nesse número tem um boa dose de expectativas sobre o que você quer pra sua vida: a casa, o carro, a escola das crianças, as viagens de final de ano, a quitação das dívidas pendentes, o status social…

  • Tem o que você ganhava anteriormente e o que você sabe que seu amigo (que tem uma posição semelhante a sua) ganha…
  • Tem o seu mercado que vai muito bem, ou o seu mercado que vai mal…
  • Tem a sua esposa, ou o seu marido, que vai se mudar de cidade junto com você e recomeçar sua profissão do zero…
  • Tem seus filhos. A escola, a turma, as vontades…


Quer pagar quanto?

E do outro lado tem a empresa.

Na empresa tem alguém com metas orçamentárias para bater que deseja que seu salário seja o menor possível (e que olha para você como um custo)…

Ao mesmo tempo em que tem alguém estruturando um plano de retenção de talentos, preocupado em te oferecer uma remuneração interessante o suficiente para que você esteja continuamente motivado – e não avalie uma mudança em breve…

  • Tem a área estratégica de Recursos Humanos, que olha pra você como um investimento…
  • Tem também seus pares de outras áreas, que estabeleceram o teto do que você pode ganhar nesse mesmo nível (não mais do que eles, para que seja coerente)!
  • Tem o escopo das suas responsabilidades: maior que do fulano, menor que ciclana… e você no meio, dentro de uma faixa específica de remuneração…
  • E tem também todas as políticas internas, que vão ditar as regras do que pode – ou não pode – ser flexibilizado para entrar na negociação do seu pacote de remuneração.


Bastidores

Em primeiro lugar, um ponto muito importante, que talvez muitas pessoas não saibam: raramente as empresas trabalham com um salário fixo ao fazer uma contratação, elas geralmente consideram faixas de remuneração, variando de X a Y.

Por exemplo: em determinada empresa dois Gerentes podem ter salários diferentes, um com R$ 15.000 e o outro com R$ 21.000, e ainda assim estarem no mesmo nível!

Nesse caso, considerando uma mediana de R$ 18.000, o primeiro Gerente se encontraria no limite inferior da faixa de remuneração (a 80% dessa mediana), enquanto o segundo estaria no limite superior dessa mesma faixa (a 120% da mediana).

Além disso, grande parte das empresas também considera a remuneração atual do profissional ao fazer uma movimentação.

Usando o mesmo exemplo anterior, pode ser que o primeiro Gerente tenha sido promovido recentemente de um cargo de Supervisor, enquanto o segundo Gerente já seja um profissional mais experiente, contratado de uma outra empresa em que já acumulava uma remuneração superior.


Informando sua Pretensão

Por isso, mesmo que você tenha acesso a informações de médias de remuneração praticadas de um determinado segmento, ou mesmo em determinada empresa, ainda é complicado informar um número de forma aleatória ao ser questionado sobre sua pretensão salarial.

Mesmo que esse número esteja dentro da faixa que a empresa está disposta a oferecer, se sua remuneração atual está muito diferente (para cima ou para baixo) pode ser um problema.

Uma das variáveis avaliadas por uma empresa ao elaborar uma carta-oferta é o percentual de aumento que será oferecido ao profissional

Novamente utilizando o exemplo acima, se você tem um salário de R$ 10.000 e estivesse se candidatando a uma posição Gerencial naquela mesma empresa, dificilmente receberia uma oferta de R$ 20.000 (mesmo que esse número esteja dentro da faixa).

Por isso, avalie se sua pretensão é coerente com o aumento que ela vai trazer ao seu salário, em comparação ao seu pacote atual (ou último).

 

 

O que levar em consideração

Claro que não podemos apenas considerar a remuneração fixa ao informar a pretensão, afinal uma estratégia que muitas empresas utilizam é compor o pacote de remuneração com uma parte fixa e outra variável: bônus, prêmios e gratificações por metas e desempenho.

Algumas áreas (como Vendas) são conhecidas pelo grande peso que a remuneração variável tem. Outras, nem tanto…

Por isso é fundamental conhecer o seu perfil:

  • Você prefere ter uma remuneração fixa mais alta, com um variável menor? (E assim uma maior certeza sobre seu pacote anual de remuneração?)
  • Ou você prefere ter uma remuneração fixa menor, com um variável maior? (E assim ter a possibilidade de ganhos maiores, porém sem uma certeza desse valor?)

Em qual dessas situações seu desempenho será melhor?

Isso é um fator determinante para ajudar a definir qual empresa tem um perfil mais aderente com o seu. E assim evitar possíveis arrependimentos futuros…


Outros pontos importantes

Seu pacote de remuneração não é composto apenas pelo seu salário, mas também pelo conjunto de benefícios que são oferecidos (financeiros ou não). O que você busca?

  • Flexibilidade de horários? Um dress-code mais informal? Um belo plano de saúde, em que sua família toda pode ser incluída, sem custos adicionais? Previdência privada? Um carro da empresa, com despesas pagas? Possibilidade de fazer home-office? Oportunidades de desenvolver sua carreira em outro país? Stock-options? Um plano de carreira bem estruturado?

Na hora de avaliar sua pretensão vale considerar alguns desses pontos (e outros mais) para fazer uma análise qualitativa: quais desses benefícios vão impactar mais positivamente sua qualidade de vida?

Nessa planilha eu adicionei alguns comentários estratégicos para sua comunicação.

Além disso, caso sua mudança de empresa também envolva uma mudança de cidade, como será seu novo custo de vida frente ao atual? Seu novo pacote de remuneração mensal precisa ser igual? Ou maior? Ou pode ser até menor? E sua família?


Recebendo a Proposta

Depois de um longo processo seletivo, a boa notícia: você foi escolhido ?!

Se você já fez sua lição de casa e analisou quais pontos são mais relevantes a você, ótimo! Será mais fácil avaliar se a proposta recebida está aderente com sua pretensão.

Use a planilha que eu compartilhei com você no link acima para isso.


Fazendo uma contra-proposta

Caso não esteja 100% satisfeito com o que foi oferecido, você pode muito bem fazer uma contra-proposta!

Não existe problema algum em pedir uma revisão da proposta, ou mesmo negociar um valor diferente do que foi oferecido em primeiro lugar. Atenção apenas para algumas recomendações:

 • Mostre que fez sua lição de casa e aponte qual (ou quais) foram seus pontos de insatisfação, justificando cada um deles com bons argumentos;

 • Avalie em quais pontos existe a possibilidade de flexibilização (alguns são políticas da empresa e não podem ser alterados – como bônus anual, por exemplo);

 • Avalie quais concessões você está disposto a fazer (afinal, estamos falando de uma negociação e de duas partes interessadas: se o projeto for importante pra você, flexibilizar em algum ponto pode não ser tão difícil assim);

Lembre-se que uma decisão de mudança não deve ser baseada apenas na questão financeira. Atualmente muitos profissionais não têm esse fator como principal ponto de insatisfação!

Por outro lado, conheço muitos profissionais que escolheram fazer movimentações laterais – ou até inferiores – de remuneração, considerando outros benefícios, especialmente qualitativos.

Avalie as perspectivas, o ambiente interno, o perfil da alta gestão, o perfil do seu gestor imediato, suas oportunidades de crescimento (interno e pessoal), entre outros tantos fatores que podem ser relevantes.

Sua decisão será muito melhor se estiver alinhada com aquilo que realmente é mais importante para você.


Espero que esse artigo tenha ajudado você a tomar melhores decisões.

Se sim, compartilhe com sua rede  , dessa forma você pode ajudar pessoas que estão em situações de difícil avaliação.
 

Abraços,

Fernando Paiva – Estrategista de Carreira

« Voltar