(16) 98158-2642

Segunda à Sexta: 8h às 18h

Você continua fazendo mudanças óbvias em sua carreira?

 

 

A motivação por trás das mudanças de emprego sempre me chamou a atenção. Quando entrevisto executivos busco entender quais foram os motivos que os levaram a tomar cada decisão importante em suas carreiras, e as respostas sempre me ensinaram muito.

Me mostraram motivos diferentes dos quais eu estava acostumado a ter. Me ensinaram que pessoas diferentes valorizam aspectos diferentes, mas que um mesma pessoa pode valorizar aspectos diferentes dependendo da fase de vida em que se encontra. Clichê? Sim. Ah, também aprendi que os clichês geralmente funcionam…

E o Lucas Furtado concorda comigo! Ele também acredita em alguns clichês e citou alguns exemplos interessantes quando foi meu convidado na série H.Entrevista.

Mas os clichês citados não foram a melhor parte da entrevista do Lucas. Em minha opinião, a forma como a carreira do Lucas se construiu tem muito a nos ensinar e eu vou compartilhar a minha visão de Headhunter sobre isso com vocês!

Se você não teve a chance de assistir AO VIVO e interagir com o Lucas, aproveite agora e assista a entrevista:

 

 

Lucas é atualmente o Gerente Regional de Vendas para uma das divisões do LinkedIn, tem uma construção de carreira extremamente interessante e compartilhou com a gente sua história, suas crenças, suas motivações, além de dicas e insights imperdíveis.

___________

Primeiro: a história de vida profissional do Lucas

Olha que legal a construção de carreira do Lucas:

Ele resolveu que faria intercâmbio ainda quando adolescente e ficou 1 ano em Chicago, oportunidade que deu a ele fluência no idioma inglês. Vale considerar que ele só está onde está hoje também por causa da fluência no inglês!

Voltou para o Brasil, teve sua primeira experiência profissional como instrutor de inglês na Berlitz, mas decidiu por fazer uma faculdade em período integral e, por isso, teve que largar o emprego.

Assim que se formou tentou entrar no processo de Trainee da AMCHAM (Câmara de Comércio Americana), na época um dos processos mais cobiçados para os jovens em início de carreira. Identificaram que ele não tinha perfil para a posição, mas que suas habilidades de relacionamento eram valiosas e fizeram o convite para que entrasse na Amcham em uma posição onde essa habilidade fosse mais valorizada.

 Aqui eu gostaria de relembrar de que nunca vale a pena tentar “caber” em uma posição. Ser verdadeiro em um processo seletivo só traz benefícios para ambos os lados. Aliás, isso aconteceu novamente com o Lucas, quando ele entrou no LinkedIn!

Em 2006, quando a HAYS (multinacional britânica de Recrutamento Executivo) chegou no Brasil, ele foi convidado por um dos Diretores da operação a fazer parte do time da Startup e viu ali uma excelente oportunidade. Era uma aposta! Largou uma carreira promissora e cobiçada por uma aposta e deu certo! O motivo? Foi convidado por um de seus mentores de carreira e isso teve um peso importante.

Três anos depois, tendo passado por momentos de pungência e de escassez no mercado de Recrutamento (crise de 2008), Lucas decidiu que precisava conhecer mais sobre “empresas de verdade”. Como Headhunter, entrevistava muitos executivos, sabia tudo o que eles faziam, mas nunca tinha vivido na prática aquele ambiente corporativo.

Nesse momento surge a Suzano Papel e Celulose, que era sua cliente na Hays. Ele não era a escolha óbvia, nunca tinha atuado nesse mercado, suas competências técnicas para a posição eram inexistentes ou fracas, pois carecia de conhecimentos sobre o mercado específico de papel e celulose.

“Foi um dos momentos de maior aprendizado da minha vida”

Durante o primeiro ano e meio ele sofreu muito por não ter as competências técnicas necessárias para a posição.

“Tinha certeza de que seria demitido no dia seguinte e aquilo me consumia”

De fato alguma coisa estava errada. Porém, sentou com o então gestor para pensar em alternativas até que surgiu uma oportunidade na área de Marketing da própria Suzano e ele aceitou! Ali se encontrou, pois começou a lidar com clientes finais, inclusive com empresas com as quais estava familiarizado por tê-las atendido anteriormente, enquanto estava na Hays.

Eis que surge o LinkedIn na vida do Lucas. Como? Sua esposa (e também uma de suas mentoras) chamou a atenção, pois muitos profissionais haviam saído da Hays para ir para o LinkedIn, o que mostrava confluência de perfil. Além disso, ela sabia que Lucas era fã de tecnologia e disse que via o Lucas lá dentro, ainda por cima na posição de Relacionamento com clientes (bem específico).

Enviou o CV para uma pessoa com quem tinha trabalhado na Hays e estava no LinkedIn. Não havia uma posição na área de Relacionamento, mas havia como Executivo de Vendas e ele resolveu abraçar a oportunidade.

Fez uma super preparação, separou todos os resultados que tinha atingido na Hays e era isso que eles queriam saber: números. Passou na primeira parte e quando chegou a etapa de apresentação de um Case, ele pediu férias de 10 dias na Suzano para conseguir se preparar:

“Mergulhei em cima do LinkedIn. Li 2 livros sobre o LinkedIn, assisti todos os vídeos possíveis e imagináveis que existiam sobre LinkedIn, sobre todas as funções. No case que eles deram tinham vários erros que você tinha que encontrar, seja de número, seja de atualização, então tinha que estudar sobre o LinkedIn para fazer a apresentação”.

E ainda continuou:

Eu lembro que investi os meus 10 dias… A Mariana, minha esposa, nem acreditou.

Ao final da apresentação o gestor da posição chamou o Lucas e disse que ele não tinha perfil para aquela área e ainda perguntou o que ele estava fazendo ali? Com sinceridade Lucas respondeu: ‘Milton, essa é minha única oportunidade porque eu sei que não tem outra vaga, de estar na sua frente e mostrar a minha capacidade e o que eu posso agregar para o LinkedIn hoje, nesse Startup’.

Finalizando: Assim que surgiu a primeira posição em Relacionamento com Clientes, o Lucas foi chamado: todo aquele esforço valeu a pena!

___________

Comentários de um Headhunter sobre essa história

Mudanças nada óbvias. Em todas suas mudanças de carreira, ele não seria a escolha óbvia – e eu não ficaria nada surpreso se ele nem tivesse sido selecionado para as primeiras etapas de cada um desses processos seletivos.

De Câmara de Comércio para Recrutamento Executivo para Indústria de Papel e Celulose para Startup de Tecnologia.

Entretanto, mesmo sem experiência anterior em nenhum dos mercados, ele foi escolhido. Elenco aqui alguns pontos que fizeram essas portas se abrirem para o Lucas, em minha opinião:

  1. Corajoso: Não teve medo de se aventurar em mercados novos;
  2. Conhecia bem a si mesmo: Sempre soube valorizar sua competência na arte de se relacionar com as pessoas. Em 2 oportunidades, mesmo participando de processos para outras áreas, essa competência foi identificada pelos gestores que lhe ofereceram a vaga com mais aderência;
  3. Dedicado: Mergulhou de cabeça na preparação para os processos seletivos dos quais participou (e tem gente que ainda acha que crescer na vida é uma questão de sorte…)
  4. Bem relacionado: Cultivar sua rede de relacionamentos lhe abriu portas em 2 momentos decisivos.
  5. Tem mentores: Não está sozinho nas tomadas de decisão importantes. Tem gente de confiança com quem compartilha dúvidas, discute possibilidades e avalia oportunidades.
  6. Humildade: Quando percebeu que não tinha algumas competências das quais precisava, buscou recursos para desenvolvê-las admitindo suas fraquezas.
  7. Transparência: Em momento algum quis “caber” em uma vaga que não era para ele. Sempre foi claro em relação aos pontos fortes e a desenvolver que tinha.

E você, quais outros pontos consegue elencar sobre os motivos que fizeram as portas se abrirem para o Lucas nessas mudanças nada óbvias?

Esses pontos acima mencionados são um passo a passo que todos podem seguir? Sim! São habilidades fundamentais para todo executivo que planeja ser bem sucedido em sua carreira.

Entender as ações que estão por trás dessas habilidades podem transformar seus hábitos – e, consequentemente, ter um impacto transformador em sua carreira, ampliando suas possibilidades para um patamar que você talvez nem imagine…

___________

Continue lendo minhas anotações sobre outros pontos da minha entrevista com o Lucas:

1 {Mentores} Sempre contou com a ajuda de mentores, que o ajudaram a tomar suas decisões mais importantes desde o inicio de sua carreira (inclusive as decisões difíceis, como mudar de faculdade).

2 {Autoconhecimento} Compreensão de seus pontos fortes, sempre os apresentando de maneira clara e transparente, que acabaram por ajudar a guiar sua trajetória profissional;

3 {Visão estratégica} Clareza que gostaria de trabalhar com pessoas e em quais pontos precisava de desenvolvimento. Buscou fazer mudanças alinhadas com seus objetivos e também com suas fortalezas (como mudar para uma grande empresa, para complementar sua experiência profissional; depois uma mudança interna, para uma área mais alinhada com seu perfil);

4 {Humildade} Para reconhecer seus pontos de melhoria: correu atrás do prejuízo e buscou cursos e diversas capacitações para continuar seu desenvolvimento;

5 {Radar ligado} Mantendo sua rede de relacionamentos sempre ativa, ficando atento a novas oportunidades (como o startup do LinkedIn Brasil);

6 {Preparação prévia} Estudou profundamente sobre a empresa, para entender como poderia adequar suas habilidades: ‘quais problemas poderia resolver’ com seus pontos fortes;

7 {Desenvolvimento} Continuou se aprimorando constantemente: tanto em habilidades técnicas (livros, artigos, cursos – presenciais e online), também em habilidades comportamentais, em que destaca:

  • Gestão de pessoas
  • Relacionamento pessoal
  • Gestão de Conflitos
  • Comunicação

8 {Pontos que valoriza} na hora de contratar para sua equipe:

  • Paixão
  • Ética
  • Lealdade
  • Perseverança
  • Mindset de crescimento (pensamento de ‘eu consigo’, e se não conseguir é ‘não consegui AINDA’)

9 {Como Líder} Acredita que a Liderança ideal é inspiradora, com senso de propósito;

10 {Gestão dos Erros} Uma certeza é que você vai errar! Assumir a responsabilidade e ter humildade para construir relações de proximidade é fundamental;

11 {Válvula de escape} Esportes e família: equilíbrio com a vida profissional. Conta também com Mindfullness: meditação para organizar a cabeça, baixar a ansiedade e relaxar.

12 {Inteligência Emocional} Não tomar decisões influenciado pelas emoções. Dormir em cima do problema: é clichê, mas funciona!

13 {Networking} Participa de grupos (como o Alumni da Amcham) e também promove eventos, para ficar próximo dos clientes e melhorar a rede de relacionamento ativa (tarefa natural, pois faz parte de seu trabalho). Também usa alertas e ferramentas do LinkedIn para ajudar nessa organização;

14 {SUCESSO} É a conquista dos diversos objetivos traçados ao perseguir seu propósito, seu objetivo maior. A pessoa não é de sucesso, mas está com sucesso: todos nós temos momentos de altos e baixos.

15 {DICA DE OURO} Busque seu sonho, seu objetivo maior. Tenha paixão, seja ético e não desista. E use o Mindsets certos a seu favor: ‘eu consigo’, e se não conseguir é ‘não consegui AINDA’.

E você, o que achou da entrevista?

« Voltar